Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Lopes Baptista Morais

Lopes Baptista Morais

MAYAMBA EDITORA APRESERNTA O LIVRO OS ESTADOS DA LINHA DA FRENTE E A GESTÃO DE AMEAÇAS NA ÁFRICA AUSTRAL

Mayamba Editora, o autor e o Instituto Superior de Ciências Sociais e Relações Internacionais (CIS) têm o grato prazer de o/a convidar para participar do acto de lançamento do livro OS ESTADOS DA LINHA DA FRENTE E A GESTÃO DE AMEAÇAS NA ÁFRICA AUSTRAL, a ter lugar:

Dia: 26 de Março (Hoje)

Hora: 16H

Local:  Instituto Superior de Ciências Sociais e Relações Internacionais - (CIS) (Talatona).

O livro OS ESTADOS DA LINHA DA FRENTE E A GESTÃO DE AMEAÇAS NA ÁFRICA AUSTRALdesenvolve brevemente as perspectivas teóricas sobre as alianças em geral e sobre os Estados da Linha da Frente, em particular. Explora o que a literatura das Relações Internacionais diz sobre as alianças, focalizando nos estudos feitos no âmbito de quatro tradições teóricas: o realismo, o liberalismo, o racionalismo e o construtivismo. Apresenta ainda as principais características da teoria de Weitsman sobre as alianças que ajudam a estudar os Estados da Linha da Frente  a partir da perspectiva de gestão de ameaças. Nele se define também os regimes minoritários brancos como uma ameaça para os Estados fundadores dos ELF – a Tanzânia, a Zâmbia e o Botsuana, na óptica da dinâmica de ameaças internas e externas que motivaram a formação dos ELF como uma aliança de balança de ameaças.
O livro explora ainda  a expansão, ou seja, o alargamento dos Estados da Linha da Frente, através do alinhamento de novos Estados depois da conquista das suas independências. São os casos de Moçambique (1975), de Angola (1975), do Zimbabwe (1980), da Namíbia (1990) e da queda do regime minoritário e segregacionista branco da África do Sul e explica a continuidade do CIEDS (Comité Inter-Estatal para a Defesa e Segurança) e a transformação dos Estados da Linha da Frente no OCPDS (Órgão de Cooperação nas áreas de Política, Defesa e Segurança).
É um livro destinado a todos os leitores, sobretudo os que se interessam pela compreensão das relações internacionais, com concentração nas questões de segurança e especificamente na região da África Austral, políticos, historiadores, docentes e discentes de Ciência Política e de Relações Internacionais.